Duologia: Tabloid Princess

Hello 😁
Como vocês tem passado? Como anda a quarentena na cidade/país de vocês? Aqui em Recife continuamos em nossas casinhas, e apenas poucos estabelecimentos ainda estão funcionando. Até os idosos que andavam passeando despreocupados parecem estar se contendo 😂 CORVID-19 a parte, hoje venho comentar sobre uma duologia que descobri por a caso, e terminei de ler no finalzinho de Abril.
Partiu?!

Leia mais »

My Life with the Walter Boys

Helloou 😁

Sim, acabei dando mais uma pausa em “Percy Jackson” para ler outro ebook de romance 😂 Entrei na vibe depois de surtar com a “pausa anterior” 😂 Mas ainda continuarei com meu plano inicial de reler “Percy” até onde parei e continuar a ler os que nem cheguei perto do Rick Riordan. Fighting!

Um tempo atrás, li os livros da Erin Watt, onde a protagonista acabava indo morar na casa de um amigo de seu pai e seus cinco filhos – se não me engano – maravilhosos (está nos meus planos reler esse ano e comentar aqui sobre essa série também)
Então, quando eu vi esse livro aqui, achei que poderia gostar.
Partiu?!

Leia mais »

The Upside of Falling

Hellooou 😁

Em meio a minha “maratona literário do Rick Riordan”, tive que fazer uma pausa por conta da quantidade de trabalhos para entregar (tive a impressão que os professores estavam nos punindo pela quarentena.. #fato). Mas logo quando estava prestes a retomar, encontrei esse ebook aqui e acabei dando mais uma – leve, dessa vez – pausa na maratona para lê-lo.
Partiu?!

Leia mais »

Serie: Parasol Protectorate – Gail Carriger

Apesar de gostar muito dos livros de fantasia, sobrenatural e ficção, nunca tinha lido estilo “steampunk“, ou seja, não fazia a menor ideia do que era isso.

Steampunk também conhecido como Vapor Punk é um subgênero de sci-fi, que ganhou fama no final dos anos 1980 e início dos anos 1990. Trata-se de obras ambientadas no passado, no qual os paradigmas tecnológicos modernos ocorreram mais cedo do que na história real (ou em um universo com características similares), mas foram obtidos por meio da ciência já disponível naquela época – como, por exemplo, computadores de madeira e aviões movidos a vapor.”

(definição segundo o wikipedia)

Meu primeiro contato com o gênero no mundo literário foi através dessa série da Gail Carriger. Eu já tinha lido os dois primeiros livros dessa série um tempo atrás, mas tive que voltar à eles para dar continuidade na história, pois já não sabia em que pé acabou cada livro. E como li em sequência, vou fazer um post único, meio resumão da série toda, ok?

Leia mais »

Moon Called – Patricia Briggs

Faz muito tempo que quero começar essa série, mas acabo passando outros livros (ebooks) na frente. Sempre gostei de livros que envolvessem o sobrenatural, a fantasia e até aquelas pitadas de romance, e toda vez que via em algum canto comentarem sobre a Patricia Briggs, achava que ela seria uma autora que traria isso para mim.
Como acabei viajando em Janeiro e seria impraticável levar vinte livros na mala, peguei meu kindle e fui dar – finalmente – uma chance para os ebooks encalhados ou simplesmente esquecidos dentro dele.

Leia mais »

Tea of Summer

Passei uns três séculos sem tocar em um livro/ebook/novel para chegar nessa semana e ler uns cinco seguidos… 😂 É sou dessas, ou oito ou oitenta. E depois de terça e quarta lá vem aqui com mais um novel chinês. Tenho que dizer que nos primeiros capítulos me veio um pensamento “hum, já li isso antes” e “epa, essa não era a história do livro dessa semana?”

Mas a medida que fui lendo, e vendo que de fatos havia muitas similaridades entre este livro e aquele que postei na quarta (não sei que autora se inspirou em quem….), ainda assim, havia coisas diferentes. E acabei gostando de ambos os livros.

Leia mais »

Really, Really Miss You

Na vibe do meu amorzinho de Julho (“Go Go Squid“, pra quem não lembra!), por acaso me deparei com mais um novel da mesma autora, e claro que tive que conferir. Pelo que entendi, este novel teria sido a “inspiração” para a criação de “Go Go Squid“. O que é engraçado já que é a mesma autora… 😂

Título Original: 很想很想你
Autor(a): Mo Bao Fei Bao 墨宝非宝
Gênero: romance
Inicio: 19/08/29
Término:19/08/29
Rating: 🖤🖤🖤🖤
Encontrado: traduzido para inglês

Leia mais »

The Little Witch’s Sure-fire Techniques

Às vezes tô na vibe dos dramas, às vezes tô na vibe dos livros e às vezes tô na vibe de absolutamente nada. 🤣 Mas como um kdrama que estou acompanhando acabou nesse fim de semana, e ainda estou tentando superá-lo (criei tantas teorias maravilhosas com uma amiga!!), acabei indo parar nos novels (de novo).

Pelo que entendi (no site que estava lendo a versão traduzida), esse novel originalmente foi lançado numa versão seriada com nomes e locais Japoneses. Durante a publicação, o título mudou para “Afternoon Lavender”, e passou a conter lugares e nomes chineses.

Leia mais »

Ninja Girl

Voltei com mais um livro da Cookie O’Gorman… Eu disse que vocês me veriam após terminar de lê-lo, coisa que fiz no dia seguinte (ou melhor, na madrugada seguinte) após aquele que postei ontem 😂 Semana dos livros, aproveitando minhas férias para colocar as leituras em dia, e confesso, que acabei ignorando um pouco meus dramas… Meio que estou esperando que a maioria dos que eu estava acompanhando termine para poder maratonar 😂

Título Original: Ninja Girl
Autor(a): Cookie O’Gorman
Editora: independente
Gênero: romance – YA – ficção
Inicio: 10/07/19
Término: 11/07/19
Rating: 🖤🖤🖤🖤

spoilers

Snow-Soon Lee tem dezessete anos e apenas um desejo a ser realizado: ser a próxima Bruce Lee. Sua mãe tem uma academia de artes maciais, onde ela dá aulas durante a semana. Ela se importa mais em treinar para realizar seu sonho do que “fazer coisas de menininhas”, e isso, inclui procurar garotos para ficar.

Em mais uma “noite das garotas” que ela foi obrigada a comparecer por seu melhor amiga, Min, ela acaba beijando um garoto completamente estranho no cinama para provar que não é uma tomboy, consegue ser expontanea e, claro, conseguiria passar pelos seguranças do mesmo com suas habilidades. Ela só não esperava encontrá-lo no alguns dias depois na escola privada que sua academia acabou por fazer uma apresentação.

Muito menos que o dito cujo iria não só reconhecê-la como acabar frequentando as suas aulas de defesa pessoal. Então, ela descobre que ele, Ash, é o filho de um candidato ao senado que vem recebendo ameaças via correio. E apesar de ser bastante complicado se concentrar em alguma coisa além de como ele a faz sentir, ela acaba sendo contratada pela mãe dele para ser sua nova guarda-costas.

Eu preciso começar dizendo que gostei muito desse livro simplesmente pelo fato de haver dois narradores!!! 😍Sim, temos tanto a visão da Snow quanto a do Ash!! E simplesmente amo quando isso acontece (está aí “Hopeless” pra provar o quanto amo isso!). E também porque é ele quem acaba apaixonado primeiro… YES! (não acontece tanto quanto eu gostaria, mas amo quando rola…)

A Snow é super preparada para derrubar qualquer cara no chão, menos pra lidar com “sentimentos adolescentes”. Não é que ela não goste de “coisas de meninas”, porque bem, ela gosta.. Ninguém sabe disso, mas ela gosta. A questão é que ela realmente quer se a nova Bruce Lee e dá um duro danado para isso se tornar realidade. Então ela beija um desconhecido e acaba com ele na aula dela a chamando de “garota ninja” o tempo todo.

Mas Ash não é qualquer garoto. Ele é rico, bonito, estuda em um colégio particular, tem um sorriso e abs de matar… E na percepção de Snow, garotos como ele não querem saber de garotas como ela. Ainda bem que Ash não é qualquer garoto, e ela também não é qualquer garota. Porque ele está sim disposto a beijar o tatame se isso significar ter ela por perto.

E eu amei a relação deles… Porque não foi forçada. Tipo, ela beijou ele, ele ficou interessado (ela também apesar de negar), aí eles se reencontram, e tudo que ele mais quer é conhecer aquela garota ninja (sim, ele ainda quer beijá-la também, mas acima de tudo, ele quer conhecê-la). A medida que eles vão se conhecendo, ficando amigos, brigando, passando por problemas juntos é que eles vão gradativamente se apaixonando (mais) um pelo outro.

Os melhores amigos dela, Bae Bae & Min, também foram uma presença boa na história… Bae Bae sendo aquela cara forte, aparentemente não tão animado que a trata como uma irmã e deixa claro que faz qualquer coisa para protegê-la. Enquanto a Min, é aquela amiga louca, pau pra toda obra, que pode até não saber lutar artes marciais quanto os outros dois, mas não vai deixar de chutar a bunda de quem não merece.

Personagem dispensável desse livro? O nome dela é com N (sim, esqueci de novo kkkk), mas ela é supostamente uma das amigas da Min que sempre está nas noites das garotas. Digo supostamente porque ela é uma pessoa bastante nojentinha… Ela passa mais tempo colocando as pessoas pra baixo do que qualquer outra coisa, inclusive a própria “amiga”, já que ela deixa claro que não é amiga da Snow. A única coisa de útil que fez no livro todo foi provocar o beijo inicial da Snow com o Ash.

Então, mais um livro com história levemente clichê, sem grandes mistérios, sem grandes confusões, e sem rivais amorosos 🙏 Tava precisando de um tempo dos triângulos e quadros 😂 Acho que estou virando fã dessa autora… Adolescente leiam, adultos também! Um pouco de leitura leve não mata ninguém!

🔲 Até a próxima!

Adorkable

Sabe quando você está na vibe de ler (ou ver) aquele clichêzinho bobo?! Pronto, foi assim que eu estava ao me deparar com esse ebook. Nesses momentos, eu realmente torço para o clichêzinho ser ao menos bem escrito e um tantinho divertido, afinal, ninguém merece só mais o mesmo de sempre sem nada a acrescentar, né? Que bom que não foi o que aconteceu com esse livro.

Título: Adorkable
Autor(a): Cookie O’Gorman
Editora: independente
Gênero: romance – ficção – YA
Inicio: 10/07/19
Término: 10/07/19
Rating: 🖤🖤🖤🖤

spoilers

Sally e Becks são amigos desde criança, suas mães melhores amigas, a familia dele é a família dela e vice-versa… vocês entenderam. Então, para suas mães é quase normal imaginar o dia em que esses dois vão deixar de viver na “friend zone” e passar para algo mais afetivo… menos pra eles, ou melhor, é o que Sally pensa ao menos.

A mãe de Sally é planejadora de casamentos e se juntou com a melhor amiga da filha (que como sempre esqueci o nome) para tentar, enfim, encontrar um genro. Afinal, sua filha já está quase indo para faculdade e não tem namorado. Isso é bastante ruim (no conceito da mãe dela).

Depois de sofrer na mão da BFF e de sua própria mãe numa fila desesperada de pretendentes ruins, Sally já está cansada disso tudo, mas por mais que continue dizendo a ambas, elas parecem não acreditar e muito menos estarem inclinada a desistir da tarefa. Eis que a solução surge quando após um outro péssimo encontro e uma quase queda pra terminar a noite, Becks, seu Becks, a salva dessa mesma queda.

Então no dia seguinte, uma grande parte da escola parece acreditar que, enfim, esses dois resolveram avançar o nível da relação. E é aí que Sally tem a ideia de continuar com a história, afinal, se ela já tiver um namorado, ela não precisaria ir ao encontros que armam para ela, não é? Mas primeiro, ela vai ter que convencer seu cobiçado melhor amigo a deixar as outras garotas de lado e entrar nessa farsa junto com ela.

Para a felicade dela, Becks não só aceita como parece bastante interessado em ajudá-la a com a história. E como a melhor amiga dela não acreditou nenhum pouco nesse relacionamento, até treinos ele insiste que ela precisa ter. Sally deveria estar pulando de alegria por todo o plano está dando certo, certo? Errado!

O problema é que ela é apaixonada por ele, sempre foi, e quanto mais eles fingem, mas balançada ela fica… E quanto mais real ela quer que seja, mas ele parece querer que não seja.

Como eu disse… Um clichêzinho, né? Quem nunca viu essa história antes?! Melhores amigos desde criança; um virou um gato cobiçado, a outra uma “estranha” geek; namorado fake; um gosto do outro… ops.. Muito rolo.

História clichê? Sim. Livro ruim? De jeito nenhum!

Gostei muito do livro, não conhecia a autora ‘Cookie‘, e adorei a narrativa dela, sem muito enfeite, sem muita enrolação, sem muita delonga… Mas cativante e interessante. Gostei muito dos personagens também, apesar de ter pego uma raiva da BFF da Sally (que até o nome eu esqueci), afinal e daí que a amiga não queria ter um namorado?! Pelo amor, precisava ficar fazendo tanta armação… Ah se fosse comigo, ia fechar o tempo num instante! 😂

A Sally, por mais que tente passar a sensação que não é bem assim, tem muita insegurança e pouco de baixo estima… Ela não consegue ver que atrai sim a atenção dos garotos, na cabeça dela, ela só é uma estranha que ninguém quer chegar perto. Por isso, ela demora mil anos – praticamente o livro inteiro, vamos ser sinceros – pra começar a somar 2+2 e cair a ficha para algumas questões importantes.

O Becks é aquele amigão sabe? Aquele para todas as horas e momentos… Literalmente inseparável… Ele joga futebol, é a estrela do time praticamente, e isso só já bastava para ele ser popular (como nós sabemos), mas ainda tem o fato que ele é bonito. Tem várias meninas atrás dele, mas mesmo assim, ele não troca a Sal por ninguém. Ele acompanha ela no armário, manda sms e liga todo dia. Quer saber dos encontros furados dela, está disposto a consola-lá e agradá-la. Mas será só isso mesmo?! 🤔

A mãe e a amiga dela eu confesso que peguei ar. Sim, eu entendo que elas pensavam que estavam fazendo tudo para o bem da Sally… Mas pelo amor, deixa a menina em paz. Francamente! Tenho certeza que se eu tivesse estado no lugar da Sal, teria dado uns bons gritos e vivido estressada com essas duas. Ao menos a mãe dela sempre foi #TeamBecks e acredita logo na farsa, deixando a garota em paz por um tempo.

O Becks tem quatro irmãos (pelo que consegui entender), todos mais velhos que ele, e todos doidinhos pela Sal… Mas calma, não nesse sentido. Todos os quatro (Cassey, Leo, Ollie e Thad) a veem como uma irmã mais novo e estão dispostos a bater em qualquer um que a faça sofrer, mesmo que isso signifique o próprio irmão biológico deles. Ao mesmo tempo, eles também são os primeiros a tirar o maior sarro – sempre que possível – do coitado do Becks. Amo quando há irmãos na história, principalmente desse tipo… Aquela irmandade boa e divertida.. O tipo que tenho com meu próprio irmão!

O único personagem que quero entedender até hoje porque raios apareceu na história é o pai dela. Vejam bem, os pais dela são divórciados, desde o começo ela fala que o pai dela é o escroto e foi por isso que a mãe se separou dele. Ela também deixa claro que apesar deles morarem na mesma cidade, ele nunca deu a mínima para ela.

Então, na primeira cena que o pai aparece… Descobrimos que ela falava a verdade, ele é um completo escroto. Dei graças quando ele não voltou a aparecer, pensei que nem ia surgir mais no livro, mas aí ele apareceu de novo. Aí eu pensei: “bom, agora ele vai mostrar o mínimo de consideração pela filha, ao menos isso… só pode.

Rolou? Claro que não! Uma vez escroto, sempre escroto! Affê! Presença inutil e desperdicio de espaço no livro, só acho! Ele literalmente não acrescenta nada na história, então, D. Cookie, não tinha porque gastar tempo com ele, viu? Só acho!

Enfim, gostei muito do livro! Achei o ebook na internet, mas não tinha em português, li em inglês mesmo… Divertidissimo! Já comecei a ler o outro livro da autora que achei, não, não é uma continuação… Só um outro livro mesmo!

Nos vemos quando eu terminá-lo!

🔲 Até a próxima!

Seal Song

Na vibe da mitlogia do fundo mar… Brincadeira, é só porque acabei achando os dois (esse e o de ontem) livros no mesmo dia 😂 Digamos que este aqui foi quase um “brinde”, já que não sabia nem que existia quando me deparei com ele online no fim de semana. Leitura era tão rápida que passei na frente dos meus “relendo” (vulgo série A Mediadora).

Título Original: Seal Song
Autor(a): Andrea Spalding & Pascal Milelli
Editora: Orca Book Publishers
Gênero: infantil
Inicio: 06/07/19
Término: 06/07/19
Rating: 🖤🖤🖤🖤

⚠ pode conter spoilers

Seal Song” é um mini livro, tão curto que só contém quase treze páginas. Ele nos conta a história de uma amizade entre um garoto chamado Finn que ama nadar com as focas em seu local secreto, e uma selkie chamada Sheila.

Segundo a mitologia, diferente das sereias que são metade humana e metade peixe, as selkies teriam a forma de focas e uma vez em terra, poderiam tomar a forma humana. A história de acordo com o local: uns dizem que uma vez em terra elas seriam proibidas de entrar em contato com a água do mar, caso contrário, o chamado do mar as obrigariam a retornar a sua forma original; outros, dizem que elas ficariam em sua forma humana se tivessem sua “pele” roubada.

Finn é filho de um pescador que gosta de passar seu tempo com as focas locais, todo dia ele vai para seu local secreto e pede para a mesma foca cantar a música dos selkies (ou seja, ele acredita que a foca seja uma selkie), mas a dita cuja nunca canta. Um dia, ao chegar no local ele percebe que “sua foca” não está, apenas para descobrir que ela ficou presa em uma antiga rede de pesca.

Juntando toda sua coragem, o garoto mergulha para salvar o animal, tendo esse perdido suas forças devido ao tempo preso, o jovem se habilita a roubar os peixes de seu pai para alimentá-lo. Durante o tempo que cuida do animal, Finn cria um elo com o mesmo, e deseja que ele pudesse ficar na terra, onde eles seriam inseparáveis. Quando a foca enfim melhora, retorna ao seu habitat natural.

Mas no dia seguinte, no local que ele costumava encontrar a foca, encontra uma misteriosa garota que se diz chamar Sheila. Os pescadores antigos dizem que ela é uma selkie: uns dizem que ela trará sorte para o pai de Finn, outros apenas ficam com medo. A medida que o tempo passa, o pai de Finn realmente tem sorte na pescaria; Sheila passa seus dias brincando com Finn, a não ser quando ele tem que ajudar o pai, então ela fica uma distância considerável da água do mar.

Eis que um dia, Finn avista um cardume de peixes, ignorando os protestos de Sheila, entra em seu barco, vai atrás dos mesmos e acaba sendo pego em uma tempestade. A amiga grita para ajudá-lo a se guiar no mar, mas em vão. Os ventos não deixam que sua voz o alcance, ela corre para as portas dos pescadores avisando do problema. Percebendo então qual seria a única chance do menino, ela enfim, canta a canção das selkies.

Quando a tempestade passa, Finn acorda na praia ao lado de uma foca… Não qualquer uma, a sua foca. A mesma que ele salvou, a mesma que ele cuidou, a mesma que ele brincou durante dias na terra… Sheila.

Se o livro de ontem prometeu mais do que foi capaz de dar (se fosse uma pessoa seria um político 😂), esse aqui nem chegou a prometer, afirmou e entregou. Tão curtinho, mas tão apaixonante! 😍 Sim, queria mais dessa história. Queria mais de Finn e de Sheila. Queria mais um pouco dessa mitologia que acho incrivelmente apaixonante e interessante.

Treze páginas não é suficiente para se conhecer um personagem a fundo, mas o garoto Finn mostrou-se corajoso e leal a sua amizade. Assim como a misteriosa Sheila, que foi para a terra por conta do desejo dele, e voltou ao mar para salvá-lo, mesmo sabendo que jamais poderia voltar a falar com ele como antes.

Se não me engano, a mitologia das selkies é irlandesa… Ou ao menos teve seu inicio por lá. Eu queria ver mais séries, filmes e livros sobre elas! 😍

Ah, descobri depois que o livro é para crianças e ilustrado… Mas como vi o ebook, este não tinha ilustrações… Já quero esse livro para mostrar para minha sobrinha. Ela ama bichos!

Se alguém souber onde encontro esse livro ilustrado me avisa!
🔲 Até a próxima!

Sea Change

De todas as mitologias existentes no mundo (e sabemos muito bem que são muitas 😂) aquelas relativas a sereias, selkies e coisas do gênero são as que sempre me cativaram mais. Então, quando meu caminho acaba cruzando com algo haver com o assunto, fico logo super interessada em conferir. Eis que esse livro já estava marcado no meu goodreads um tempão e nada de achá-lo (de graça) na internet… Felizmente, durante esse finde, finalmente consegui lê-lo.

Título Original: Sea Change
Autor(a): Aimee Friedman
Editora: Point
Gênero: YA – fantasia
Inicio: 05/07/19
Término: 06/07/19
Rating: 🖤🖤🖤- 🖤

pode conter spoilers

Miranda Merchant tem dezesseis anos, é absolutamente ótima em ciências e não tanto assim com meninos, apesar de ter deixado um ex-namorado e uma ex-melhor amiga em NY. Após o drama do assunto “ex-namorado” e “ex-melhor amiga” que ela se recusa em falar ou até mesmo pensar, ela está bastante feliz em ter a desculpa de passar seu verão bem longe de casa.

O destino de seu verão encontra-se na Georgia, mas precisamente na Ilha Selkie, local que sua mãe e tios vieram a crescer. Acontece que sua avó materna (Isadora) faleceu, deixando a casa para sua mãe, e esta retornou a ilha após alguns anos afim de resolver as questões ao testamento da avó de Miranda, Isadora.

No local, Miranda acaba encontrando novos amigos, além de uma ilha cheia de misterios e uma história local muito fantasiosa para a cabeça de uma cientista. Ela também acaba conhecendo o misterioso Leo, quem desafia tudo que parece saber, incluindo garotos, amizades e a própria realidade.

Além de aparetemente se tratar de sereias/selkies, tenho que confessar que a capa desse livro me conquistou completamente… Sério mesmo! E lá trás, sei lá quanto tempo atrás, quando esbarrei com ele no goodreads, ela foi um dos motivos por me fazer querer lê-lo.

🔳 Vamos aos pontos incomodos do livro:

Sabe aqueles livros que tem uma premissa super interessante? Bom, esse livro tem! Tem tanto que me animei logo de cara. Mas como eu disse, a realidade é outra. Ele promete mais do que cumpre. O que deixou tudo bem decepcionante pra falar a verdade.
Se ele fosse uma série, talvez tivesse sido bem melhor, história tinha para isso. Mas infelimente, ficou só em um volume que deixou a desejar.
O fato da personagem ser uma adolescente não justifica o tamanho da imaturidade e controversias existentes no livro. Como assim?!
Uma hora ela está super interessada no garoto A. Aí ela conhece o garoto B e num único encontro, ela está o quê? Sim, apaixonada por ele. Mas então ela começa a desconfiar que o garoto B não é quem diz ser.. E decide se jogar para o garoto A. Tipo, não há conversa, não há momentos de reflexão… Há apenas uma garota imatura querendo evitar um problema que ela nem sabe se é um problema mesmo. 😒
▪Por que todo livro “YA” (ou a maioria deles) tem que ter esses romances instantaneos?! Bateu o olho e já é o amor pra toda a vida!! 🙄
Cadê a parte que as pessoas se conhecem ou ao menos trocam mais de duas palavras antes de se apaixonarem perdidamente?!
O passado da mãe dela é sempre jogado como se tivesse algo suspeito, como se tivesse algo que tanto Miranda como nós precisavámos saber… Aí fica numa enrolação eterna pra enfim, meio que jogar algo e não explicar para que tanta enfase no babado. 😒
Quase sempre a autora remete a história mistica da ilha, onde seus primeiros habitantes seriam sereias/selkies ou descendentes deles. Como todo fato baseado em um mito, continua sendo mistico até o final. Jamais descobriremos se era real ou não. Fica assim subentendido, sabe? E se tem uma coisa que me irrita mais do que não mostrar, é deixar subentendido (“Age of Youth 2” está aí para provar isso!).
O conflito entre Miranda e a mãe dela pareceu bem forçado, sem realmente ter uma razão para o mesmo existir.
Não era pra ser perigoso?
Sempre tem um personagem que refere-se àqueles personagens locais (os supostos descendentes das criaturas mitologicas) como “perigosos”. Tipo, não ultrapasse para a área deles que algo ruim pode acontecer.. Enfim, os avisos se mostraram bastente exagerados já que algo perigoso jamais aconteceu.

🔳 E aí?!

▪ Apesar de todos os problemas que citei acima (e mais alguns que possa ter deixado de fora), o livro não é ruim de se ler. Ele tem uma leitura agradável e vira-e-mexe com aquele ar todo de fantasia.
Se fosse resumi-lo em uma palavra diria que ele é “frustrante”. Ele é o típico livro que lhe promete um mundo, para no fim, lhe jogar apenas algumas migalhas.
Eu leria se soubesse que era frustrante?! Talvez, se não tivese outros na fila.
Porque não é sempre que consigo achar um livro que se trate de sereias/selkies. E porque como disse a leitura dele não é ruim, só o desfecho mesmo.
Me arrependi de ler agora que achei isso? Não.
Pelo mesmo motivo que citei acima.

🔲 Até a próxima!

Reunião

Ainda na vibe da leitura rápida (bem, os livros tem menos de 400 pags e isso significa “rápido” pra mim) e do meu amado fantasma, Jesse, termino de reler o terceiro livro da série “A Mediadora” que voltei a apreciar nessa semana. (Após claro, deixar a leitura atual de lado, junto com as séries e até mesmo uma parte dos dramas… Procrastinando! 🙄 😂)

Título Original: Reunion
Série/Trilogia: A Mediadora #3
Autor(a): Meg Cabot
Editora: Galera Record
Gênero: YA – fantasia – romance
Inicio: 02/07/19
Término: 03/07/19
Rating: 🖤🖤🖤🖤

⚠ pode conter spoilers!

Após o témino do castigo por chegar em um carro da polícia em casa, Suze ganhou como prêmio a companhia de sua melhor amiga Gina, direto de uma caótica metropole para as praias ensolaradas da Califórnia. Os meio-irmãos dela resolveram disputar a atenção da recém-chegada, enquanto isso, a mediadora precisa não só lidar com um fantasma, mas com quatro novatos.

Quatro adolescentes da escola rival morreram em um trágico acidente após saírem de um baile, eles eram conhecidos como os “Anjos”, e agora, estão em busca de vingança contra o motorista sobrevivente do outro carro metido no mesmo acidente. O garoto em questão é Michael, um aluno da classe de Suze, com aparência de nerd, bastante provocado por outros estudantes, incluindo Brad, cujo a irmã encontra-se de coma devido a um incente ocorrido em outra festa.

As coisas se complicam quando Jesse começa a suspeitar que o caso de vingança assassina pode ser bem mais do que se parece. E por mais que ele e o Pe. Dom tentem aconselhar a jovem impestuosa mediadora a não causar mais danos, as escolhas de Suze, podem trazer consequências mortais dessa vez.

Cá estamos, e eu continuo inutilmente esperando que essa garota use o bom cérebro que recebeu, esperando em vão pelo jeito). Sério mesmo, não lembro de ter tamanha estupidez com dezesseis anos! 🙄 Pra algumas coisas, talvez, mas pelo amor… Desconfie de alguma coisa menina!! Investigue antes de ir se meter onde não é chamada, pelo amor!!! (ao menos isso eu tenho conciência que eu iria fazer se tivesse no lugar dela.😏)

Enfim… Suze ganhou a companhia de Gina, e meio que perdeu a de Jesse, já que ele não aparece tanto quanto o costume por conta de sua amiga. Seus meio-irmãos estão agindo mais bobos que o normal, fazendo gracinhas pra atrair a atenção da convidada… O que suze não consegue compreender é o fato que a amiga parece apreciar bastante essas tentativas.

Quando ela decide se meter em uma implicancia de alunos (bullying aliviado), acaba ganhando um “perseguidor”. Incialmente ela quer fugir dele até decobrir que o mesmo possa estar sendo alvo de traquinagens mortais provocadas pelos novos fantamas, e é quando Jesse a manda colocar no garoto.

Mas e se os fantasmas não forem o real perigo dessa vez? Bem, sim, eles estão tentando matar alguém, é errado, claro! Mas e se aquele que todos pensam ser inocente não for de fato? Seja lá qual for a verdade, a mãe de Suze não pode ver os fantasmas, entretanto consegue ver Michael e deixa claro que não quer sua filha andando de carro com o mesmo.

E se a mãe não estar por perto para fazer valer sua vontade… Jake está. Porque uma coisa que Suze notou desde a chegada de Gina foi a mudança de personalidade que seu meio-irmão adquiriu, inclusive a nova mania que ele tem de chamar sua mãe de “mamãe”. E como já disse algum poeta morto, não é só de boas escolhas que se vive a vida… E temos Suzannah pra provar isso!

Destaques desse livro:

▪ Pe. Dom finalmente voltando a ativa após seu período de “recesso” (amo esse velho!);
▪ A imaginação de Suzannah correndo solta em relação a Jesse 😍
▪ Mestre/David sempre com seus comentários impressionantes nos momentos certos;
▪ O amor “fraternal entre irmãos”.. Uma coisa linda de se ver/ler sempre! 😂
▪ Me diga mesmo porque essa criatura acredita em todo mundo mesmo sabendo o que sabe?! 🤔🙄
▪ Jesse e suas declarações inusitadas, em momentos rápidos, mas que nos fazem suspirar mesmo assim 😍
▪ Suzannah e sua capacidade para ter os piores pseudo-namorados 😂
▪ Momentos profundos entre um Pe. e uma adolescente… (amo!)
▪ A capacidade de agir sem pensar dessa garota continua me surpreendendo!

🔲Até a próxima!

O Arcano Nove

Continuando a reler essa série que amo (“A Mediadora”, caso vocês não lembrem 😂), terminei o segundo livre e já me peguei com o terceiro… Por serem livros não tão grossos, eles são bastante rápidos de se ler. 😉

Título Original: Ninth Key
Série/Trilogia: A Mediadora #2
Autor(a): Meg Cabot
Editora: Galera Record
Gênero: YA – fantasia – romance
Inicio: 02/07/19
Término: 02/07/19
Rating: 🖤🖤🖤🖤

pode conter spoilers!

Após sobreviver aos ataques de Heather e mandá-la dessa para melhor super à força, Suze é repreendida pelo Pe. Dom que quer tentar fazê-la entender exatemente o que é ser uma medioadora e como ela deveria agir nessas situações. Já que o Pe. não acredita que usar a violência é um bom método de mediar os fantasmas.

Além disso, a festa de Kelly rendeu alguns frutos: Suze teve uma reação alérgica pavorosa a uma planta, mas acabou conhecendo Tad, um garoto que parece bastante inclinado em se tornar seu namorado. Isso claro, se a garota conseguir lidar com duas coisas que parecem estar no meio do seu caminho:

Primeiro, o fato de Suze acabar conhecendo o pai de seu “futuro namorado” devido a uma fantasma gritante que a acordou durante à noite com uma mensagem inusitada: “diga que ele não teve culpa da minha morte“. O problema é que o homem é um tanto estranho e, parece ter sim culpa de algumas mortes.

Segundo, Jesse. Nosso lindo fantasma resolveu ser testemunha do primeiro beijo de Suze e parece não ter gostado nenhum pouco desses “avanços”, agindo como ela mesmo diz como “um namorado ciúmento”.

“Eu posso estar morto há cento e cinquenta anos, Suzannah, mas isso não significa que não saiba como as pessoas se despedem. E em geral, cada um fica com a língua na própria boca.”

Como confusão nunca é demais… Os amigos de Suze acabam levando-a para conhecer a “médium” da cidade, que por acaso, também é tia de Cee Cee, a mais nova amiga da mediadora. Enquanto a médium supostamente falhava em sua performance, já que repetidamente tirava a mesma carta em seu tarô, “O Arcano Nove“, Suze acaba invocando sem querer o espirito de uma das supostas vítimas de Red.

Então, as cituações complicadas se acumulam quando a própria mãe da garota fica extremamente radiante com a possibilidade de sua filha, enfim, ter um namorado e uma vida social mais ativa. E como sempre, haja problemas para Suze resolver em pouco tempo, ainda mais quando ao que parece ela deu a mensagem do fantasma para a pessoal errada, atraindo a atenção de quem não deveria.

Tenho que dizer que a Suzannah, por mais adolescente que seja, é um tanto quando imprudente e bastante idiota… 🙄 Me explica mesmo, porquê essa criatura não investiga um pouco o povo antes de sair por aí dando as “mensagens dos mortos” para os vivos?! 🤔 Ela com certeza seria capaz de se meter em menos confusões se fizesse isso, ou ao menos saberia bem onde está se metendo…

Não é a toa que o pobre Jesse vive preocupado com ela… Falando em Jesse, ah, essas cenas de ciúmes… maravilhosas!!! Tenho certeza que nem o Patrick Swayze (naquele filme dos anos 90, “Ghost”) me fez suspirar tanto quanto o Jesse me faz. 😍 Simplesmente amo!

Vamos aos detaques desse livro:

▪ O pai dela, finalmente, deu as caras (não que tenha sido de grande ajuda, como ela mesmo diz…)
▪ o pai dela x Jesse 😂
▪ Jesse ciumento 😍
▪ Pe. Dom x Suze sobre o Jesse
▪ A capacidade que essa garota tem de não usar se quer 0.00005% do cérebro 🙄😒 é realmente impressionante!
▪ Mais apariçõe do Brad, e claro, do David 😍
▪ Aparecimento de novos poderes?! Hum…. 🤔 Será?!
▪ Boas noticías “made in NY

🔲 Partiu próximo livro!

A Terra das Sombras

Quem era adolescente em plenos anos 2000 e nuncaa leu um livro se quer da Meg Cabot?! Quanto a série que a fez ficar conhecia, “Diário de Uma Princesa“, apesar de ter lido todos (e claro, visto os filmes) não sou particularmente assim tão fã dela. Ao contrário de outras séries da autora… Incluindo a série “A Mediadora” que simplesmente tem um lugarzinho no meu coração. E como estou de férias (e como sempre procurando sarna pra me coçar… 🙄) resolvi reler a série novamente.

*”Sarna pra me coçar” simplesmente porque assisto mil dramas ao mesmo tempo; tenho minhas leituras atuais; fora as legendas que voltei a fazer.. 😂

Título Original: Shadowland #1
Série/Trilogia: A Mediadora / The Mediator
Autor(a): Meg Cabot
Editora: Galera Record
Gênero: YA – fantasia – ficção
Inicio: 01/07/19
Término: 02/07/19
Rating: 🖤🖤🖤🖤

pode conter spoilers!

Suzannah, ou Suze, está trocando o caos e o frio de uma grande metropole, além de sua melhor amiga, pela ensolarada Califórnia. Isso porque após anos da morte de seu pai, sua mãe decidiu se casar novamente, então, agora ela tem um padastro, três meio-irmãos e um cachorro que mais parece um urso. E de brinde, ela ainda ganhou um inquilino em seu próprio quarto: um fantasma bonitão chamado Jesse.

Pois é, fantasma… Suze é uma mediadora. Alguém com o dom, ou maldição dependendo do ponto de vista, de poder ver os mortos, e não só vê-los como também ser capaz de tocá-los. Ela é encarregada de ajudá-los a passar para o outro lado, alguns facilitam sabendo o que os prendem ao mundo dos vivos, outros complicam não sabendo nada de nada… E há outros como Heather, a recém suicida que vaga pelos corredores de seu colégio planejando vingança contra o ex-namorado dela (e para qualquer um que resolva se meter em seu caminho).

Talvez por eu ter gostado muito dessa série quando li a primeira vez, sem falar que já cheguei a lê-la novamente outras vezes anos atrás, mas fiquei surpresa com o quanto que lembrava do primeiro livro… Sério mesmo! Geralmente costumo lembrar mais dos últimos livros ou detalhes em geral da série inteira… 😂

Suze é uma garota adolescente que gostaria, na maior parte do tempo, ter uma vida como uma adolescente qualquer, ou seja, sem ter que se preocupar em ser atazanada por fantasmas em qualquer lugar que vá. Ainda assim, esses pensamentos vivem em constante mudanças (basicamente variam de acordo com o humor dela), pois é graças a essa capacidade que ela pode rever seu pai falecido e claro, conhecer o Jesse.

Tanto o pai dela quanto o Jesse não aparecem tanto quanto eu gostaria nesse livro… O que dá pra entender, claro, por se tratar do primeiro livro… Ainda estão conhecendo o território assim como a Suze está começando a conhecer seu novo lar. (Lembro de cenas dos próximos livros hilárias que incluem o pai dela!! 😂)

Ainda assim, já começamos a ter uma noção do quanto um fantasma é capaz de roubar o coração de alguém (sim, estou falando do meu próprio e não da Suze). O misterioso Jesse que é literalmente apanhado de surpresa e atacado com o mau humor juvenil, e apesar disso, ainda tenta ao seu modo, proteger aquela garota imprudente. Mesmo que na maior parte do tempo, sem ela mesma notar.

Claro que tenho que falar sobre os meio-irmãos da Suze: Soneca (Jake), Dunga (Brad) e Mestre (David). Dando destaque para a fofura que é o garoto gênio de doze anos que é capaz de comprender coisas que nem ao menos ele sabe exatamente o que significa. Os irmãos mais velhos são um tanto apagados nesse livro, apesar de se fazerem presentes em diversas ocasiões.

Mas o pequeno David é quem ganha a estrelinha de ouro aqui… O mini gênio é o irmão favorito da Suze, sem falar que é o único a acreditar que o quarto da irmã é assombrado por um fantasma.. Chegando até a juntar toda a coragem que alguém da sua idade possa ter e oferecer para salvá-la de tal assombração.. Simplesmente um pequeno fofo! 😍

Outro destaque merecido para o Padre Dominic, o diretor da nova escola da Suze e igualmente mediador. Os métodos dele em executar as tarefas de seus dons são completamente diferentes dos usados pela garota, então, não preciso dizer o quanto de problemas que está por vir, não é?! Um preza pela violência, o outro pela compaixão… Um vê o trabalho como um dom, o outro como uma ameaça a sua paz e sanidade mental… Só tenho a acrescentar os futuros risos e confusões que essa dupla nos trará!

Mal posso esperar para relembrar a trajetória de Suze & Jesse!! 😍
E se você não leu…
🔲 Fica a dica!

Not If I Save You First

Ally Carter é uma autora que conheci nos vários fóruns que traduziam livros na internet, na época em que achar ebooks de graça para baixar era muito mais fácil que hoje em dia… Acabei conhecendo e adorando a série que ela escrevia naquele tempo, “Gallagher Girls“, e até hoje é uma das minhas queridinhas no gênero YA.

Então quando me deparei com esse ebook aqui em um site aleatório, torci para ter disponibilização para baixar (porque acho mais fácil ter em mãos no meu kindle que ficar dependendo de ler apenas online) e por sorte, tinha! 😍

Título: Not If I Save You
Autor(a): Ally Carter
Editora: Scholastic Press
Gênero: YA – ficção – romance
Inicio: 01/07/19
Término: 01/07/19
Rating: 🖤🖤🖤🖤

*pode conter spoilers*

Para Maddie e Logan ouvir um helicoptero pousando significa uma coisa em comum: “Papai está em casa“. O pai de Logan nada mais é que o presidente dos EUA, enquanto o pai de Maddie, é o chefe do serviço secreto. Ser filho do presidente não tem lá muitas vantagens no ponto de vista do garoto, a não ser por Mad Dog (vulgo Maddie) sua única e melhor amiga.

A presença dela completa sua vida solitária cercada por protocolos e seguranças. As duas crianças gastam seu tempo ficando “fora do caminho” dos adulto e explorando as passagens secretas da Casa Branca. E o que era para ser mais um evento sem graça, porém, aturável já que Maddie estaria com ele, acaba mudando tudo de uma hora para outra.

Eis que os russos estão na Casa Branca para um acordo político; as crianças estão fazendo o que fazem de melhor, “ficar fora do caminho”; então, a primeira dama sofre uma tentativa de sequestro; e tudo que Maddie consegue ver são tiros por todos os lados, e após isso, tanto seu pai quanto seu amigo estão caídos no chão.

Então seu pai está vivo, mas Maddie se vê no meio do nada, cercada por árvores, neve e vida selvagem. Sem telefone, sem internet e principalmente, sem Logan. Maddie um dia chegou a acreditar que eles seriam amigos para sempre. Agora, ela e seu pai estão no Alaska, a quilometros de distância de qualquer outro ser humano, sem nem fazer a mínima do porquê.


Seis anos depois, agora com seus dezesseis anos, a vida que um dia tivera nos corredores da Casa Branca parece mais um sonho que uma memória real. Sua vida agora se resume a ela, seu pai e os animais selvagens que tenta manter fora de sua cabana. Após anos sem nehuma palavra do “ex amigo“, Maddie quer distância do mesmo, ela tem lenha para cortar, tarefas para fazer, sua vida social está bastante ocupada… Até o dito cujo aparecer na porta de sua cabana e a garota querer matá-lo.

Logan está sendo punido pelo pai por tudo que aprontou durante os seis anos que ficou longe de Maddie, ele só não contava que sua “pena” seria paga justamente no local em que encontraria a pessoa que mais sentiu falta durante todos esses anos. E mais ainda, não contava em ver que sua tão conhecida Mad Dog parecia não existir mais. Aquela jovem o encarando com os olhos frios e sanguinários não parecia nenhum pouco com sua garota.

O garoto quer se redimir e reecontrar sua Mad Dog que não demonstra um pingo de felicidade ao vê-lo, mas no processo percebe que sempre sentiu por ela mais do que uma simples amizade. Enquanto Maddie, tenta não degolá-lo enquanto ele dorme… Mas os planos dela são interrompidos quando um russo os surpreende e sequestra Logan. Eis que matá-lo virou sua missão número dois, já que salvá-lo é sua nova prioridade.

‘If anything goes wrong in there, I’ll save you.’

‘Not if I save you first.’

Not If I Save You” é um livro único, nada de séries… Por um lado é ótimo porque o final é o final mesmo, tudo é resolvido e não vou ficar morrendo por uma coninuação. Por outro, gente, eu queria uma continuação, sério! 😍 Fiquei com aquele gostinho de quero mais. E sinceramente, o final deixa sim uma brecha para ter outro livro se a Ally Carter quiser nos trazer Maddie e Logan novamente. 😍 Não sei se gosto ou não dessa opção 🤔😂

Gostei do livro por ter uma “pegada” bem parecida com a série que amo (Gallagher Girls): aquela leve mistura de ação, aventura e um bom romance… Com mocinha corajosa, decidida, teimosa, esperta, daquele tipo que não espera ser salva, sabe? O tipo que vai lá e faz… Planeja e executa. Enfim, vocês entenderam! 😆

A Maddie de boba não tem nada, apesar de ser ótima em fingir que é. Apesar de fingir ser indiferente a presença do Logan novamente em sua vida (e ela é boa em fingir pra ele isso), ela ainda está magoada pelos seis anos de silêncio e não pensa em perdoa-lo nem tão cedo. Nem mesmo quando ele é sequestrado…

Tipo, ela vai atrás dele? Claro. Ela não vai deixar o filho do presidente ser morto. Ela ainda o vê como amigo? Sim, mas está com raiva (e com toda razão!). Seis anos de silêncio é o bastante para matá-lo? Sim, mas quem tem que fazer isso é ela, e ela chegou primeiro.. Então, russos… saiam da frente.

Por outro lado, o Logan apesar de passar os seis anos deixando as pessoas acreditarem que ele é um inútil, e só tem importância por ser o filho do presidente, ele é apenas solitáro. Para ele, o que aconteceu anos atrás criou certo trauma, afinal, ele tinha apenas dez anos…

Na cabeça dele, ele é o culpado. Se não fosse por ele, o pai da Maddie ainda estaria na Casa Branca; se não fosse por ele, as pessoas que ele gosta e se importa, não saíriam machucadas (uma lógica meio deturpada, mas ele era uma criança, então não o julguem!).

Agora que ele a reencontrou, a falta que ele sentiu dele (e ignorou por todos esses anos) o acertam em cheio… E sentimentos que ele guardava bem distantes da superficie, começam a querer ver a luz do dia, por assim dizer. Mas primeiro, ele tem que fazer com que ela o perdoe.

Gostei muito do livro (como já disse lá em cima, mas vou repetir aqui em baixo mesmo assim 😆), gostei dos personagens; da construção das personalidades deles; e como apesar de tudo aocntecendo ao redor deles, os pedidos de desculpa não foram aceitos assim do nada e tão rápido. Tipo, eles estavam em uma situação dificil e poderia ter aquele momento “vamos esquecer os seis anos de sofrimento e só pensar no agora“.

De certa forma, teve, mas foi um pouco mais equilibrado.. Um acontecimento ruim atual não apaga os seis anos (só acho!), e de certa maneira, não apagou. Eles tiveram o momento de “perdão”, não foi ignorado os seis anos. Mas houve um entendimento, aquele momento “vamos soltar as verdades entaladas e seja o que deus quiser”.

O que gostei bastante… Porque fico chateada quando os autores resolvem ignorar o sofrimento passados dos personagens para dizer que o acontecimento atual é motivo suficiente para haver perdão imediato. Hunf! Mando logo pastar, não vou mentir!

Já disse que gostei do personagens; do andamento; da história; vamos para alguns detalhes na história (o famoso “destaques merecidos” dos posts de dramas/série/filmes):

▪ Logan de dez anos extremamente ansioso para ser salvo do tédio quando a Mad Dog chegasse à Casa Branca; 😍
▪ Mad Dog de dez anos mostrando ao serviço secreto que tem conhecimento de passagens secretas que eles desconhecem;
▪ todas as cenas que o Logan viu como “amorosas” só para descobrir que a Maddie tinha outra coisa na cabeça; 😂😂
▪ as cenas fofas em que a Maddie achou que o Logan estar ali era apenas um sonho 😍 (ao mesmo tempo que acordada, e o cérebro em pleno funcionamento, negava a importância daquele fato na cara do Logan); 😂

▪ 👏 para o casamento perfeito dessa frase com o livro: “Até mesmo boas pessoas podem fazer coisas ruins se tiverem apenas um pouco de razão“;
▪Com quem eu falo para a Maddie ganhar uma medalha de “garota sobrevivente”?! Porque essa aí é dura na queda, viu?! 👏
▪ Eu esperava um pouco mais do Charlie… Pobre Charlie! Por favor Ally Carter, se fizer um segundo livro o traga de volta!!!
▪ Só acho que a Maddie devia estudar na escola das “Gallagher Girls“, tem futuro viu? Só acho! 😂

*Ah, eu li o ebook em inglês, não sei nem si esse livro chegou a ser lançado por aqui.
Lembro que quando comecei a ler a série “Gallagher Girls”, ele também não havia sido lançado aqui.. Só uns anos depois que chegou no Brasil.

🔲 Fica a dica!

Um Farol no Pampa

De volta aos “Pampas”, “Um Farol no Pampa” é a continuação da saga “A Casa das Sete Mulheres” que não chegou a ser produzido na televisão. A minisérie ignorou esse livro e praticamente fez uma fusão entre o primeiro e o último “Travessia” que conta a história de Anita e Garibaldi.

Como eu li os livros em Janeiro desse ano e não tinha previsão de voltar a escrever “resenhas ou só comentários” sobre nada 😂 Vou ficar devendo o último livro para vocês, poque não lembro muito dele, e ao contrário do volume 1 e 2 não cheguei a fazer anotações quando lia. Sorry! 😅

Título: Um Farol no Pampa
Série/Trilogia: A Casa das Sete Mulheres #2
Autor(a): Leticia Wierzchowski
Editora: Bertrand Brasil
Gênero: histórico – romance – nacional
Inicio: 18/01/19
Término: 21/01/19
Rating: 🖤🖤🖤🖤

Assim como o primeiro livro, existem tempos diferentes nesse livro: o presente, quando o Antônio embarca do Rio de Janeiro para as terras herdadas por seu pai, Matias Gutierrez, no Pampa; a narrativa dos cadernos de Manuela que estão em sua posse; e os acontecimentos narrados em ponto de vista “observador”.

A história narrada nos diários de Manuela começa após a morte de Bento Gonçalves.

“A vida é um sopro.
Não somos mais do que uma vela acesa.”

Ao ser expulsa de casa pela mãe, Maria Manuela, vai morar com tia Antônia junto com seu marido João e o filho deles, Matias. No decorrer do nascimento do segundo filho, Mariana, falece no parto junto com a criança, deixando a criança Matias praticamente órfão, pois seu pai, o índio sofre calado a morte de sua amada. Matias então é criado como um filho por D. Antônia.

Perto da estãncia de D. Antõnia, fica a estância que Perpetua e Inácio moram com suas filhas, entre elas, Inácia é a mais importante para essa história. Inácia e Matias crescem próximos, muito amigos e nutrindo sentimentos um pelo outro. As duas crianças passam seus dias de diversão brincando no estaleiro que costumava ser Garibaldi, nas brincadeiras e promessas que só os pequenos podem criar.

Com a “Guerra do Uruguai” se aproximando, João que tem a alma à espera da morte para encontrar sua Mariana e o corpo que implora por uma batalha, segue com os filhos e netos de Bento Gonçalves para a peleja deixando o filho com D. Antônia. Outra guerra que isola e levaria embora mais integrantes da família, entre eles, o próprio João e Inácio.

“O amor, naquela casa, era feito de silêncios e de olhares. Era uma coisa inominável que fazia maravilhas e cortejava tragédias.”

A medida que as duas crianças crescem, Matias não vê a hora dele mesmo pegar uma espada, partir para as batalhas, e claro, casar-se com sua amada Inácia. O problema é que com a morte de Inácio, Perpetua perdeu sua estrutura e quase sua sanidade junto, e não quer nem imaginar sua filha casada com um mestiço de indio.

As baixas da guerra, a morte da avó Antônia, levam Matias para peleja junto com os primos Gonçalves, deixando com Inácia a promessa de voltar para casar-se com ela. Então, Perpetua tem a chance de apresentar candidatos mais adequados a sua filha, na tentativa de conseguir o que considera um bom casamento.

Matias conhece a tia Manuela, a quem tem muito apresso. Descobre que a guerra não é bem o que imaginava e que é isso que o mantém longe de sua amada. Tudo que ele quer é voltar para sua estância e casar-se. Mas a guerra tem outros planos e ele acaba sendo dado como morto após uma batalha sangrenta. Entre a vida e a morte, em seus momentos de delírios são as imagens de sua mãe, D. Antônia e Inácia que o deixam em paz.

“Quem tem um sonho, ah, este vive…
São os sonhos, tal alavancas invisíveis, que nos empurram para a frente, rumo à floresta de dias ainda não vividos.”

No presente, após a morte de seu pai, Antônio descobre via testamento que essse deixou para ele a estância que herdou da avó Antônia, nome em que recebeu em sua homenagem. Quando criança seu pai costumava lhe contar sobre a avó dele e seus próprios avós, falava com gosto de saudade dos pampas, mas nada além disso.

Mechendo entre os pertences de Matias, ele encontra cartas trocadas entre seu pai e a tia Manuela, além de outras pertencentes a quem não conhece. Já na idade de buscar suas próprias aventuras, Antônio decide partir do Rio de Janeiro e conhecer o tão amado pampa de seu pai, mesmo que sua mãe não concorde com isso.

Durante a viagem de navio ele ler as cartas de seu pai (acontecimentos narrados lá em cima), descobrindo sobre o primeiro amor de Matias e o tanto de coisa que o homem guardou para si mesmo, sofrendo sozinho para não machucar os que estavam ao lado dele. Ao chegar no Rio Grande do Sul, Antônio vai em busca de Manuela, a tia tão querida de seu pai que aos seus 55 anos ainda espera por Garibaldi.

Inicialmente, Manuela acha que o próprio Matias veio visitá-la após tantos anos, entretanto descobre seu engano quando o garoto que é identico ao sobrinho a informa da morte do mesmo e diz ser seu filho. Então lhe entrega os cadernos que passou anos escrevendo e ele parte para estância de D. Antônia.

O local um dia foi magnifico, mas que com o passar dos anos, tornou-se um tanto quanto abandonado e decadente. A casa velha tem história, segredos e mistérios, entretanto, Antônio se sente em casa. De dia, ele passeia pelos pampas, conhece o pessoal, escuta histórias sobre o passado, sobre seus pais e D. Antônia.

Durante à noite, quando andava perto do Farol de D. Antônia, ele encontra com uma jovem, ficando completamente encantado por ela. Ele tenta descobrir quem é a misteriosa garota, mas ninguém parece conhecê-la, seu nome é Carmosina, e “dizem” que ela é igual a sua mãe.

“A vida, dissera a avó, não podia ser desfeita. A vida não era como uma carta em que um vivente corrige seus erros sem pressa, passando a limpo cada pensamento, cada frase, antes de endereçar o envelope e, finalmente, dar curso aos acontecimentos. Não, para a vida, não havia volta.”

Eu queria ter visto uma versão desse livro na televisão 😍 gostei bastante… Até mais que o terceiro livro que cheguei a ler logo depois. A história de Matias foi tão sofrida quanto a história de amor de sua própria mãe, com alguns diferenciais claro! Também tivemos um pouco mais do João que geralmente era tão calado no primeiro livro (e na própria minisérie), mas é como dizem “o silêncio vale ouro”.

Tivemos uma “lembrança” de D. Maria na pele de Perpetua que sente-se igualmente perdida após a morte do amado marido, e em uma casa cheia de mulheres. E claro que ela vai buscar refugio nos braços de sua forte e amada mãe. Onde ambas acabam por encontrar consolo.

Mas não é só de sofrimento que se vive a vida.. A amizade entre Bentinho Gonçalves e Matias também foi um ponto forte, assim como seu relacionamento com a tia Manuela. Uma das únicas pessoas que ela aceitava encontrar em sua casa e durante seus mil anos de espera por alguém que jamais retornaria para ela.

O livro é muito bom e acabou pedindo uma continuação dessa história… Só acho! Não sei se tem, mas tenho certeza que não veio a ter… Uma pena! Queria ver aquela versão de “Mariana&Esteban”.2 😂 Entenderores entenderão! 😆

🔲 Até a próxima!

A Casa das Sete Mulheres

Apesar de obviamente o livro ter sido lançado primeiro, eu só vim conhecer a série a partir da minisérie que a Globo lançou em 2003. Minisérie que fui muito viciada, passei inumeras noites acordada até tarde para conferir os episódios e morrendo de sono no dia seguinte em consequência disso. Apenas no começo desse ano (2019), finalmente consegui ler os livros que deram origem a minisérie que tanto amo! Sim, livros, plural…

Título: A Casa das Sete Mulheres #1
Série/Trilogia: A Casa das Sete Mulheres
Autor(a): Leticia Wierzchowski
Editora: Bertrand Brasil
Filme / Serie / MiniSerie: A Casa das Sete Mulheres (2003)
Gênero: histórico – romance – nacional
Inicio: 14/01/2019
Término: 19/01/2019
Rating: 🖤🖤🖤🖤

Inicialmente eu tinha pensado em fazer um comparativo entre o livro e a minisérie, mas como não lembro muitos detalhes da versão televisiva por ter sido há muito tempo, vou só comentar sobre os personagens que lembrar, ok? Eu amo a trilha sonora, então vou colocá-la de acordo com os personagens!! 😍

“Sete vidas, sete destinos… Se fundem num só…” – Adriana Mezzadri

Durante a Revolução Farroupilha (1835-1845) – uma luta dos latifundiários rio-grandenses contra o Império brasileiro – , o líder do movimento, general Bento Gonçalves da Silva, isolou as mulheres de sua família em uma estância afastada das áreas em conflito, com o propósito de protegê-las. A guerra que se esperava curta começou a se prolongar. E a vida daquelas sete mulheres confinadas na solidão do pampa começou a se transformar.

O livro um divide-se em dois tempos diferentes: No tempo presente, Manuela (sobrinha de Bento Gonçalves) no ano de 1880 escreve sem seus cadernos as memórias do tempo em que viveu na Estância junto com as outras mulheres da família. Mesclando-se aos momentos atuais e aqueles que “nada” tem haver com a vida dela.

🔳 As mulheres na estância são:

D. Caetana – esposa amada de Bento (descrita por ter grande beleza);

▪ Perpetua – filha mais velha de Caetana & Bento;

▪ D. Ana – irmã de Bento e dona da Estância do Brejo;

▪ D. Maria Manuela – irmã de Bento com três filhas;

▪ Rosário – filha de D. Maria; sonhadora e romantica;

▪ Mariana – filha de D. Maria; a mais alegre e “assanhadinha”;

▪ Manuela – filha mais nova de D. Maria, romantica e escritora;

🔳 Sobre as histórias particulares de cada personagem:

Pérpetua passa os dias na estância entre ajudar sua mãe e tias, e se divertir com as primas. Tem alegria nos olhos, mas geralmente é quieta. Ela se apaixona por um fazendeiro vizinho recém chegado a região. Porém, ele é casado com uma mulher enferma, Teresa.

Inácio é o fazendeiro que chega ao campo para ajudar os pulmões de sua esposa enferma, ele é bem recebido por D. Ana, chegando a ficar bem amigos, e se encanta pela jovem Pérpetua. Mas por respeito a sua esposa, só a procura com própositos amorosos após a morte dela.

Trilha sonora: “Perpetua & Inácio” na minisérie ❤

Rosário é uma jovem sonhadora e extremamente romantica, ao contrário das irmãs e prima, ela acaba se trancando no escritório do tio, passando seus dias aventurando-se em terras desconhecidas. Ao chegar a estância, ela conhece o grande amor da sua vida, o problema é que aparentemente ele já está morto.

Esteban/Estevão é um soldado caramuru (inimigo de Bento Gonçalves) e aparentemente morreu em combate contra o mesmo. Sem muita explicação lógica, ele está “preso” na estância e por isso, acaba conhecendo Rosário. Os dois se apaixonam.

Trilha sonora: “Rosário & Esteban” na minisérie ❤

Mariana é a irmã de Rosário e Manuela. É a mais animada de todas. Sempre em busca de “novas aventuras” e amores. Assim como na série, suas escolhas amorosas fazem sua mãe quase matá-la: Seu primeiro amor é o marinheiro Ignácio, correspondido por ele, mas não chegam a ter nada, pois ele morre em um naufrágio. Seu grande amor é o indio João, o “faz tudo” da tia Dona Antônia.

João Gutiérrez é um índio calado que ajuda D. Antônia na estância dela. Na maior parte do tempo ele quer distância das “moças ricas” da família de Bento Gonçalves até seus olhos baterem em Mariana.

Trilha sonora: “Mariana & João” na minisérie ❤

Manuela é a filha mais nova de D. Maria, desde os tempos de criança está prometida em casamento ao primo Joaquim (filho de Bento), o mesmo nutre sentimentos por ela que os ignora. É Manuela quem narra os acontecimentos do livro (e minisérie). Mas a jovem tem certeza que o destino planejou algo melhor para ela, ou melhor, alguém… E é por ele que ela espera.

Giuseppe Garibaldi, um guerreiro revolucionário que luta contra a tirania do mundo e um dos principais aliados de Bento Gonçalves. Ele chega a estância a pedido de Bento para ajudá-lo com os barcos que trariam novos rumos para a guerra que se arrastava pelo tempo. Ele fica na estância de D. Antônia, mas se encanta pela jovem Manuela.

Trilha sonora: “Manuela & Garibaldi” na minisérie ❤

D. Antônia é a irmã mais velha de Bento, não mora na Estância do Brejo, mas em uma outra próxima. Ela é tida como a “tia favorita” de Manuela e Mariana. Sempre aparece para dar apoio as sobrinhas e a cunhada nesses tempos de guerra. Por sua estância ser próxima ao rio, é lá que Garibaldi constroi os barcos a pedido do General.

🔳 Sobre as diferenças dos personagens (que eu lembro): Livro x Tv

▪ Na tv, Bento Manuel é um rival de Bento é obcecado por Dona Caetana e vive tentando “roubá-la” do marido; isso não existe no livro 🙏 Já temos problemas demais! 😂

D. Ana
tanto no livro quanto na tv – ela fica viúva no começo da guerra, restando apenas o filho que está nas tropas de Bento.

D. Maria
Na Tv – ela é uma mulher amargurada que cria os filhos aos punhos de aço praticamente;
No livro – após a morte do marido (no começo da guerra), ela cai em depressão e “surta”, transformando-se na mulher amargurada que vimos na minisérie;

Perpetua
Na Tv – chega a conhecer Teresa, fica “amiga” e recebe da mesma a “benção” para se casar com o marido dela;
No livro – só conhece Inácio.

Rosário
Na tv – a jovem é salva de uma tentativa de estupro pelo capitão Estevão; os dois ficam atraídos um pelo outro e ele chega a escoltá-la até a metade do caminho para as terras de sua tia.
No livro – quando Rosário conhece Estevão / Esteban ele já é um fantasma.
Ela também é mais velha que Manuela e Mariana (na tv, ela ficou sendo a do meio)

(⚠ Spoilers sobre o final de Rosário no quadro abaixo!!)

O destino final de Rosário:
Na tv – presa no convento, Estevão aparece para “buscá-la” e sua “morte” fica incerta.
No livro – presa no convento, Rosário é encontrada com uma espada caramuru antiga enfiada em seu peito. Esteban voltou para buscá-la, e ela claramente se mata para ficar com ele.

Mariana
na tv – geralmente ela está interessada nos pretendentes rejeitados de Rosário, só encontrando um amor quando conhece João.
tv e livro – a mãe dela é o problema entre eles; a jovem se refujia na casa de D. Antônia quando a mãe a tranca a pão e água por se envolver com o índio;

Manuela
tanto na tv quanto no livro – ela alega ter visto a chegada de Garibaldi antes que o mesmo colocasse os pés no Brasil.
no livro – ela não chega a ter nada físico com Garibaldi, apenas um beijo; ela não vai embora com Garibaldi por não ter coragem de deixar sua família; além de não chegar a conhecer Anita (essa só é citada, nem chega a aparecer de fato);
na tv – ela e Garibaldi se envolvem romanticamente (e fisicamente); Manuela não só conhece a outra como acaba fazendo o parto do filho deles (anita e garibaldi).
tanto na tv quanto no livro – Manuela passou o resto dos seus dias esperando Garibaldi voltar para ela, sendo conhecida como a “noiva de Garibaldi”

Anita Garibaldi
no livro – ela só aparece em citações e cartas que a Manuela recebe dos primos sobre a guerra;
na tv – ela chega aparecer na metade da minisérie, quando Garibaldi vai para Laguna a pedido de Bento Gonçalves;

🔳 Considerações Finais:

Se eu já era apaixonada pela minisérie (e pela trilha sonora/OST 😍), era meio lógico que eu ia acabar caindo de amores pelo livro também, já que geralmente a minisérie/filme é só a ponta do “iceberg” 😂

Então, não preciso dizer que fui lendo e na minha mente os atores que interepretaram foram os que surgiram quando eu imaginava os personagens, né? 😂😂 Não interessa se a idade deles eram completamente diferentes no livro.. Já tinha a cara para os personagens e não consegui imaginá-los diferentes.

Sim, há muitas mudanças entre uma versão e outra, mas isso sempre acontece e as mudanças que fizeram na versão televisiva provavelmente foi para acrescentar mais drama em alguns seguimentos completamente necessarios para a adaptação. Fiquei morrendo de vontade de rever a minisérie, mas não tenho e não achei na internet 😒🙄

🔲 Até o próximo livro!