Percy Jackson: Sea of Monsters (2013)

Hellou 😁

Se já comentei sobre o primeiro filme e o segundo livro, claro que eu tinha que vir comentar sobre o segundo filme também. Até porque, acho que desistiram de fazer mais filmes da série, após os considerados fracassos, e pararam nesse aqui mesmo. Acho que seria legal, se investissem em uma série… O que a Netflix tá esperando?! Rick Riordan até já escreveu os crossover com as próprias séries de livros, a coisa já tá 50% pronta! 😂
Enfim, Partiu?!

Leia mais »

Percy Jackson: The Lightning Thief (2010)

Hellou 😁

Como bem sabem, semana passada – em meio as minhas provas e trabalhos da faculdade – decidi reler a série do Rick Riordan, Percy Jackson, já que nos últimos meses, minhas leituras estavam rastejando em baixo da terra. 😂
Se faz 10 anos do filme que dirá dos livros, né? Mas enfim, deu certo, o animo para ler melhorou e já que estamos na “vibe” do mundo de Percy Jackson ainda, decidi comentar também sobre o filme.
Antes de tudo, tenham em mente que:
aprendi a assistir filmes adaptados de livros sem fazer comparações entre os dois, já que sempre corria o risco de acabar odiando metade dos filmes existente por não fazerem jus as obras originais.
Partiu?!

Leia mais »

A Dog’s Purpose + A Dog’s Journey

Pausa nas conversas sobre dramas asiáticos para comentar outras duas coisas que amo de paixão: filmes e cachorros. E se eu amo esses dois, imagina eles juntos?! Desde que eu era criança até os dias de hoje, todos os filmes que me fizeram chorar – literalmente com lágrimas – envolviam cachorros.

Felizmente esse filme não entra na lista dos “filmes que me fizeram chorar”, mas como recentemente assisti ao segundo filme, resolvi postar sobre eles. O filme é uma adaptação de um livro, mas não cheguei a lê-lo.

Leia mais »

Good Omens

Eu sempre gostei muito de livros de sobrenatural, fantasia, terror.. quando era criança, e desde então, continuo gostando.. E um dos autores que fazia parte da minha lista de “obrigatórios para se ter na estante” era o Neil Gaiman. Sempre gostei e provavelmente sempre vou gostar. Esse ano, a “Amazon Prime” lançou a mini-série e eu terminei de ver a temporada essa semana.

Título Original: Good Omens
Temporadas: S01
Nº de Eps: 6 .:. 60 min.
Ano: 2019
País: UK
Adaptado de:Good Omens” by Neil Gaiman
Gênero: livro – fantasia – sobrenatural
Stars: David Tennant, Michael Sheen, Sam Taylor Buck
Rating: 🖤🖤🖤🖤

Um demônio e um anjo que “moram” na Terra que se conhecem a milhares de anos (não decorei, mas basicamente desde “Adão & Eva”) decidem se unir para evitar o Apocalipse, coisa que nenhum dos lados (Céu e Inferno) parece disposto a querere fazer, pelo contrário, ambos estão bem anciosos pela batalha.

Para evitar tal evento, eles tem que encontrar o Anticristo que foi “trocado”, devido a uma confusão alheia a vontade deste anjo e deste demônio, no hospital em que supostamente nasceu há onze anos atrás. Ou seja, o destino do mundo está nas mãos de uma criança de onze anos de idade e nos dois “supostos” rivais.

Parece até uma piada ruim que alguém pode contar em um bar de bêbados, mas não… É a pura realidade no universo dessa história, e eles estão correndo contra o tempo para evitar um desastre, ou melhor, a guerra e a destruição da humanidade.

Tudo começou lá no Jardim do Éden, quando Aziraphale deveria ter feito seu trabalho de vigiar a árvore do fruto proibido, e no entanto Crowley cumpriu seu trabalho de tentar Eva a “comer o fruto proibido”. O casal foi expulso como bem sabemos, mas Aziraphale com pena dos perigos que eles poderiam enfrentar, os deu sua espada flamejante.

Alguns milhares de anos depois, Crowley é encarrregado de entregar o anticristo em um hospital pertencente a uma “seita” de freiras, afim de trocarem o beber de um diplomata pelo “bebê demôníaco”, dando assim, o primeiro passo para o “Fim do Mundo”. Por conhecidência, dois casais acabam indo parar no hospital na especifica noite: o casal diplomata e um casal do suburbio da Inglaterra. E adivinha onde o “bebê destinado” vai parar?!

Onze anos depois, dar-se inicio a corrida para evitar (ou fazer acontecer – depende de qual lado você esteja) o “Fim do Mundo”.

Do lado “vamos evitar a guerra”: o anjo, Aziraphale que ama sua livraria e não quer destruir a humanidade; o demônio Crowley (eu fã de Supernatural pulei de alegria só por existir um personagem aqui com esse nome… ele é meu xodozinho lá na outra série… 😍) que ama seu carro.
Além de uma “bruxa” ou ocultista (ela se nomea assim), o futuro namorado dela caçador de bruxas, um “Sargento” Caçador de Bruxas e sua amante medium. (eles entram para o “time” depois)

Do lado “queremos que o Fim do Mundo aconteça”: todos os outros anjos, ou seja, o Céu; e todos os outros demônios, o Inferno. Além dos 4 Cavaleiros do Apocalipse: Guerra, Fome, Poluição (que seria a Peste) e Morte que estão se reunindo para a “corrida final”.

E no meio desse barraco todo, temos: Adam, o Anticristo; Cão, o cão infernal (o dono dele não é lá muito original com nomes…); Brian, Pepper e esqueci o nome do outro 😅 (Resumindo: 4 crianças e 1 Cão Infernal.)
Inicialmente, Adam não tem noção de quem ou o quê ele é… Mas a partir do momento que ele percebe o que pode fazer, cabe a ele, escolher o destino de tudo e todos….

A primeira temporada tiveram só seis episódios, mas já foi anunciado que terá uma segunda (e espero que tenha mesmo!). Sinceramente, mal senti notar o tempo passando enquanto assistia. Apesar de ter uns momentos mais introdutórios e outros narrados por alguém, não torna monotono ou chato, pelo contrário, achei uma mistura de poético e cativante.

Como eu disse, a série é baseada no livro do Neil Gaiman que sim, já li, mas… há muito, muito, muito, muitooo tempo… E por isso não lembro de absolutamente nada dele. Ou seja, não esperem comparações 😅

Apesar de toda a parte sobrenatural de “anjos” e “demônios”, pra mim a série foi um brinde à amizade e as escolhas que podemos fazer por nós mesmos (e pelos outros). Basicamente aquele conceito de que o que escolhemos fazer ou quem escolhemos ser, pode sim ter um peso grande, e acarretar consequências – negativas ou positivas – para você e os que estão ao seu redor.

A amizade entre o Crowley e o Aziraphale é sem dúvida um dos pontos fortes da série, até porque, mesmo que um deles não veja como “amizade” inicialmente, é exatamente isso que é. E em diversos momentos percebemos que mesmo eles estando tecnicamente em lados opostos, eles dão valor a relação existente entre eles… Eles tentam se ajudar.

Então, sim, gostei da série. Sim, recomendo para todo mundo.. E sim, vou sofrer até chegar a segunda temporada!


🔲 Fica a dica!

The Exception

Essa semana acabei restabelecendo contato com uma amiga via twitter e comentando com ela sobre o blog… Acabei lembrando que já fazia parte dos meus planos não ser só “livros” e “dramas” (até porque nem sempre dá tempo de terminar os livros com a mesma rapidez que eu termino um drama…😂) E na minha tentativa de escolher um dos mil filmes que já vi ou dos que tenho no meu HD, acabei lembrando desse que é baseado em um livro…

Ano: 2016
País: EUA
Diretor: David Leveaux
Adaptado de:The Kaiser’s Last Kiss” by Alan Judd
Gênero: guerra – drama – romance – book
Stars: Lily James; Jai Courtney; Christopher Plummer
Rating: 🖤🖤🖤🖤

Antes de qualquer coisa, eu não cheguei a ler o livro (até tentei encontar o ebook mas não achei), alguns comentários que vi na internet dizia que o livro não era assim tão bom, e o filme era bem melhor (raro, mas acontece!) Não li, não posso julgar isso.

🔳 A treta do filme:

O Capitão Stefan Brandt durante a 2ª Guerra Mundial à Holanda, mas especificamente a casa do Kaiser Wilhelm afim de fazer uma investigação sigilosa, ou seja, ele está procurando um espião infiltrado. As tropas alemãs rastrearam um sinal de troca de mensagens ali perto, e sob as ordens do capitão, eles devem estabelecer quem é, e se o próprio Kaiser está metido nisso.

A guerra já é ruim para muita gente, e para a família do Kaiser, significa “falta de poder”, não que ele pareça se preocupar muito com isso. Ele está até bem, vivendo confianado em sua residência. Sua esposa, no entanto, não parece gostar de ter perdido o estatus que um dia teve, e faz de tudo para ficar no lado “agraciado” dos alemãs, e talvez assim, ganhar algo em troca.

Enquanto isso, Mieke de Jong é uma jovem empregada vivendo acima de qualquer suspeita naquela casa até o dia em que o capitão se convida a entrar. Ela tem um segredo, uma missão, algo que está disposta a colocar sua vida por isso… Só não contava que sua relação, inciada para distrair o capitão, acabasse distraindo-a também.

🔳 Motivos para assistir:

Parece clichê? Parece… “Durante a guerra, inimigos se apaixonam“… Bem, clichê. É só isso? Não, absolutamente não!

A última vez que vi esse capitão ele era um FDP em outro filme baseado em livros (série Divergente), e se naquela época ele atraiu minha raiva… Aqui ele atraiu foi outra coisa 😏 😂

▪Vocês não tem ideia de como eu me apaixonei por esse homem… Tudo bem que no começo ele tem uma atitude meio… hum “vou meter a mão na sua cara” 😂 Mas depois… Gente, ele pede desculpas! (tão raro acontecer em filmes – ainda mais de guerra – que a gente acaba gamando desse jeito... 😂)
▪ O Stefan (sim, somos suficientemente initimos para eu chamá-lo assim 😝), ele literalmente fica naquela entre a cruz e a espada, sabe? Entre o dever e o querer… Ele sabe que tem que entregar a espiã ao mesmo tempo que ele está disposto a arriscar o pescoço por ela. 😍
▪ Ele começa a relação pelos motivos errados? Talvez.
▪ Ela começa a relação pelos motivos errados? Muito provavelmente.
▪ Mas quem liga?! Porque eles mesmos não ligam nenhum um pouco.
Se no começo ela pode ter pensado em algo diferente do que aconteceu, bom, iss já era… Ela não disiste da missão dela por ele, mas também não desiste totalmente dele. Tipo, ela podia nem ficar “amiguinha” dele, mas ficou. Em nenhum momento ela chega a perder a essência dela, e foi uma coisa que gostei bastante.
▪ Eles não viram só amantes, eles consegem, nesse curto perído de tempo, virar amigos também (rola até comentários sobre isso antes do fim do filme 😍)

▪ Falando na Mieke, não posso esquecer do meu destaque merecido: o Kaiser, muito fofo e coviteiro… Amei o personagem dele também!
▪ Ele fica amigo da Mieke, age mais como um pai/avô que o patrão dela.. Tem uns momentos “cabeça” e “conselheiro amoroso” que eu gostei muito… Deu certa humanidade ao personagem que muitas vezes é esquecida nesses filmes de guerra…
▪ Ele também dá conselhos para o Stefan, e acaba ajudando o casal em mais de uma ocasião.. Famoso personagem que shippa junto com a gente #TeamStefeke 😍


E sim, é um filme durante a guerra, ou seja, eu deveria vir aqui e dá destaque para as tretas políticas… Mas eu moro no Brasil e minha família é de Floresta/PE, e o que não faltam por aqui são tretas políticas… Então, NÃO! Não MESMO! Você não vai me ver falando disso aqui… Nem que o filme seja de cabo à rabo sobre política… Eu vou, com certeza achar uma coleção de porcelanato pra falar 😂😂

Como eu já deixei claro minha opinião sobre a parte “política” da história ☝, vamos a um pequeno resumo:

▪ Dá pra surtar? ✔
▪ Dá pra shippar? ✔
▪ Tem personagem mal amado? ✔
▪ Tem personagem coviteiro? ✔
▪ Personagem feminina corajosa? ✔
▪ Personagem masculino bonitão? ✔
▪ Tem muita treta política? nem tanto
▪ Tem FDP pagando de bonzinho? ✔
▪ Devo dar uma chance ao filme? ✔

🔳 Bônus:

Logo quando vi esse filme… Nas minhas andanças pelo youtube (dramática não😂) acabei me deparando com um video que algum fã vez do filme… E meio que dá uma resumida na história do casal. Ficou muito bom e a música combinou demais… Então, vou deixar aqui para vocês!

🔲 Fica a dica!