Leve-me com Você

Helloou Pessoas!

Após a eleição (ou seja, minha semana no interior – Floresta/PE), acabei indo passar uma semana na praia (irei comentar aqui depois em outro post) e só agora, retorno com vocês (porque essa pessoa lesa esqueceu de levar o pc para fazer as atualizações).

Deixando as semanas ausentes de lado, aqueles que me conhecem sabem o quanto eu sou louca pelas edições da Darkside. Esse livro aqui eu ganhei de aniversário em Outubro (no famoso, dei pra mim mesma), mas só agora, parei para lê-lo (falta do que fazer dentro de um carro indo de Recife para Maceió hahahah).

E se querem saber, esse foi o momento certo, digamos assim.
As situações são completamente diferentes, mas vários trechos desse livro caíram como uma luva para o meu caso, que muitos de vocês já conhecem, se leram os posts anteriores.

Partiu?!

Em “Leve-me com você” conhecemos August e seu cachorro Woody, eles estavam em uma viagem por parques nacionais até seu trailer quebrar em uma cidadezinha no meio do nada. August tem como objetivo chegar em Yellowstone, algo que parece mais uma obsessão até entendermos os motivos que o fazem querer chegar até lá. O fato é que, enquanto seu trailer está parado na oficina, ele acaba conhecendo Wes, o mecânico, e seus dois filhos: o tagarela Seth e o silencioso Henry.

Perto de voltar para a estrada, Wes, propõe um acordo com August, em troca do concerto sair de graça, ele levaria as duas crianças com ele em sua viagem, os “devolvendo” ao final do verão.
Meio reticente por aceitar duas crianças de um estranho, ainda mais quando ele mesmo não quer pôr a si mesmo sob tal responsabilidade, August se vê em uma encruzilhada, apesar de acreditar já saber a resposta. E é aí que a viagem começa. Um trailer, um cachorro, um adulto e duas crianças percorrendo os EUA até Yellowstone. E mal sabiam eles o quanto suas vidas mudariam a partir desse verão.

“As pessoas aprendem com a experiência. Pouco importa o que os outros dizem.”

Aparentemente sem saber porque disse sim para aquela situação maluca, August incialmente em dúvida sobre aquilo tudo, acaba compartilhando sobre sua vida com seus novos companheiros de viagem. Descobrimos que sua “obsessão” para Yellowstone tem haver com Phillip, o filho falecido dele, e que o motivo do acordo proposto por Wes é por ele estar na cadeia até o final do verão. As vidas “partidas” entre e o adulto e as crianças se chocam a ponto de encontrarmos certa familiaridade nas situações. E é quando lembramos que não só os “adultos” ensinam, mas as crianças também.

Seth, o irmão mais velho que sempre teve que cuidar do mais novo e fazer de tudo para agradar, vê em August um “quase pai”, um professor, alguém que pode falar de igual para igual. Alguém que ele, apenas um menino, pode contar, e se deixar guiar. August é seu “inspirador”, ao mesmo tempo, que ele mesmo inspira o adulto a rever várias coisas em sua vida, desde a morte de seu filho até agora.
Já o silencioso Henry, encontra sua voz ao perceber em August uma confiança e proteção que jamais teve em sua vida. Claro que boa parte disso, vem de Woody, o cachorro que os acompanha nessa empreitada.

“Nunca peça desculpas por falar a verdade. O que você sente é o que você sente, e, por mais que devia sentir outras coisas, não pode mudar seus sentimentos. Tem coisas na vida que podemos mudar e outras não.”


Como eu disse antes, esse livro tem uma situação diferente da minha, enquanto August está de luto pela morte do filho, eu, bem… vocês sabem. Mas posso dizer que essa jornada, os ensinamentos que ela trouxeram para os personagens caíram muito bem para mim. Me peguei concordando com o que August dizia sobre sua dor – me identifiquei de certa forma – e sendo ao mesmo tempo, atingida por alguns momentos dessa jornada.

O livro foi uma surpresa pra mim, não cheguei a ler a sinopse dele, só vi “darkside”, a capa e pensei “quero!” hahaha (Darkside me patrocina!!!!) Tinha a impressão – não sei porquê – que seria um livro triste e não a jornada que encontrei. Ao final, me deparei com o amadurecimento tanto do adulto quanto das crianças, e de mim mesma, da minha mente que os acompanhou nessa aventura. É de fato, um livro fascinante! Daqueles que mergulha mesmo na “alma” dos personagens e te faz ver até as entrelinhas que eles mesmos ainda não veem. É um livro curto (li de Recife pra Maceió, 4h de viagem quase…) e maravilhoso! Definitivamente recomendo! 😍💚

Até a próxima
e bye bye! ^^

2 comentários sobre “Leve-me com Você

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s