Stillhouse Lake #1 – Rachel Caine

Hellooou!

Depois de muito enrolar, finalmente terminei de ler o primeiro da série “Stillhouse Lake“. Não demorei porque o livro não era bom, só não estava muito na vibe pra ler nada… Tanto que os livros que comecei estão todos em “pausa indeterminada”. 😂
Por ficar um tempo imobilizada, acabei decidindo retomar os atrasados e cá estamos.

Gina Royal não cometeu nenhum crime, apenas um grave erro, mesmo que a população inteira de sua cidade (sim, já esqueci o nome 😅) e do resto do país, não acredite nisso. Seu grande erro foi casar com um serial killer. Seu atual ex-marido foi descoberto quando um carro desgovernado entrou na garagem da casa deles, revelando os segredos do Sr. Royal, incluindo sua última vítima.

Por mais que Gina não soubesse de nada disso, não foi nisso que as pessoas acreditaram, e elas a chamaram de “Pequena Ajudante do Assassino“. Temendo pela vida de seus filhos e a sua própria, Gina passou os últimos meses fugindo… Fugindo dos fãs de seu ex-marido; das famílias das vítimas; de todos os stalkers que querem transformar a sua vida num inferno; fugiu de tudo que pudesse ligá-la a palavra Royal.

Agora, ela é Gwen… Gwen Proctor. E finalmente parece ter encontrado um refúgio em Stillhouse Lake contra os stalkers e os trolls da internet, talvez seus filhos possam crescer em paz. Quando ela acha que pode sim ser capaz de viver sob a identidade de Gwen, e deixar o passado para trás, um corpo suge no lago de frente a sua casa e cartas ameaçadoras de seu marido começam a chegar.

Sem saber em quem confiar, Gwen deve manter tanto os amigos quanto os inimigos longe afim de esconder sua real identidade, ou assistir um novo assassino transformar seus filhos em vítimas, na tentativa de atormentá-la. Uma coisa é certa, ela aprendeu como lutar contra o mal, e ela nunca irá parar.

Tenho que admitir que fiquei em vários momentos angustiada com a Gwen… Quando ela era a Gina, era uma dona de casa simplesmente que acreditava fielmente em tudo que o marido dizia. Incapaz de qiestionar as falhas dele, e talvez por isso, não tenha nem suspeitado da real identidade do mesmo. Fiquei angustiada nos vários momentos em que ela desabafa se perguntando se podia ter salvo alguma vítima se tivesse desconfiado? se suspeitasse que atrás da parede da sua cozinha tinha o covil de um monstro? São questionamentos que ela fez durante todo o tempo, e que claro, ninguém pode responder…

Esse livro também trás um peso consideravel sobre as reações da sociedade para com um fato que eles acreditam ser real ou não, ninguém (quase ninguém) pensa que ela pode ser mesmo inocente, que ela poderia ser uma vítima do próprio marido… Eles apenas jogam um ódio generalizado não só ao culpado, que já está preso, como a família dele, aos filhos dele. Como se os filhos devessem pagar pelos erros/crimes cometidos por seu pai.

Ao mesmo tempo, temos essa relação estranha, nem sei se dá pra chamar de relação, no elo entre as crianças, o pai e o assassino. Porque o pai deles é um serial killer, e em tese, serial killers não são capazes de ter sentimentos por ninguém, então tudo teria sido um fingimento da parte dele? uma grande manipulação? A psicologia diz que sim. Mas como explicar isso para as crianças… Que nada do que eles viveram era de fato real.

O menino era apegado ao pai, vez ou outra a mãe se assusta quando percebe algum trejeito que lembra o ex-marido, só não fica mais transtornada porque não vê a escuridão nos olhos do filho. A menina mais velha, tem catorze anos, uma adolescente que como se já não tivesse os problemas da idade, tem que aprender a lidar com o ódio do mundo. A lidar com esses sentimentos que ela tem pelo”monstro”, ela pode sentir amor pelo pai? é errado?

Gostei da maneira como a Rachel Caine abordou esses assuntos complicados no meio da história do livro. Você consegue ver o conflito interno dos personagens e ainda assim, curti todo o suspense da história sem ter aquela sensação que uma coisa está interferindo na outra, você sente que estão conectados, agregados.

Ainda temos as relações que eles constroem em “Stillhouse Lake”, os amigos que fazem na nova casa, e o quanto essas mesmas relações são frágeis a medida que a desconfiança e o medo surge. Pessoas que você achava que poderia confiar viram as costas no menor sinal de “rumores”; pessoas que você deveria confiar, se tornam estranhas…

Mas convenhamos que para alguém que tem vários problemas de confiança (com razão), achei que a personagem confiou rápido demais em uma pessoa especidfica só pelo que ela representava… E foi uma das coisas que não consegui aceitar. (pessoa desconfiada aqui falando que não confiaria de jeito nenhum!)

Enfim, o livro é cheio de suspense, boa e bem desenvolvida história. Já quero ler o segundo (só vou colocar na lista porque tenho uns 4 na frente dele 😂). Não sei se tem tradução para português, meu ebook é em inglês mesmo.

Esse foi o primeiro livro sem ter gênero de fantasia/sobrenatural da Rachel Caine que eu li. Quando era mais nova eu simplesmente era apaixonada por uma série de vampiros dela (eu era viciada em coisas de vampiro, ainda sou. Só não tenho achado nada que preste depois que aqueles vampiros-fada de Crepusculo foram criados 😒 desculpa quem gosta, mas aqueles livros lá são quase uma blasfemia no mundo vampirico….), enfim, a série era “The Morganville Vampires” 😍 Fiquei até com vontade de ler novamente!

Até a próxima!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s